x

Cia de Dança Afro Daniel Amaro

x
A Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, surgiu em Dezembro de 1999, quando o coreógrafo retornava de sua estada de um ano e oito meses entre Montevidéu e Buenos Aires.

De maneira bem inesperada e certa forma coincidente, o até então professor de dança, chega à cidade quando estava sendo organizado um grande evento de cultura negra, denominado Cabobu, onde foi convidado para apresentar um trabalho. A partir, daí nasce a Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, que inicialmente foi chamada de grupo de dança afro.

Hoje, se considerando em parte realizado, Daniel Amaro, pensando numa forma de retribuir toda a experiência adquirida no Gueto (expressão utilizada pelos moradores para se referirem à vila), trabalha com a idéia de oferecer a comunidade da Vila Castilho um Projeto sócio-Cultural a fim de despertar nas pessoas que ali vivem, uma nova perspectiva de vida.

Além deste trabalho socio cultural a Cia. realiza desde de 2004, a Mostra de Teatro e Dança de Origem Africana, esta realizada em Pelotas e ainda tem em sua bagagem seis espetáculos montados, que são : Reminiscência, Tambores do Corpo, Âmago, Homens Ifá e Maria, Marias..., Rio de Sangue, todos esses dirigidos e coreografados por Daniel Amaro, além disso, conta com a colaboração de uma equipe profissional e de competência comprovada, agregando ainda mais qualidade aos espetáculos da Cia.

Importante salientar ainda que no espetáculo Homens Ifá e Rio de Sangue  tem a participação coreográfica do coreógrafo Mano Amaro e no espetáculo Maria,Marias... a colaboração das coreógrafas Carol Pinto e Márcia Loureiro.

NOVIDADES

 

7ª Edição do espetáculo A Dança dos Orixás.

n/d

Espetáculo que mergulha no universo da dança dos orixás, resgatando o legado deixado aqui no extremo Sul do Brasil, a partir dos homens escravizados que para cá foram trazidos e submetidos ao trabalho forçado na indústria do Charque. O espetáculo conta com 7 bailarinos que representarão, através da dança, 7 orixás diferentes. Dessa forma, o projeto pretende valorizar a cultura africana e o legado que esse povo deixou em nossa terra. Pois, onde no passado houve sofrimento, hoje é espaço para aprendizado, reflexões e reconhecimento da cultura afro.

Bailarinos e interpretes: João Cruz, Juliana Coelho, Carol Lopes, Naiane Ribeiro, Érick Dias, Inajariane Vieira, Emanuel Brizolara e Débora Mendes.

Assistente de Direção: Cassiano Amaro, Fabiana dos Santos e Victória Amaro.

Design Gráfico: Julia Terra e Elisangela Araujo.

Contraregragem: Kito Borges.

Ogans: Cleber Uilson Vieira, Yure Vieira e Wesley Vieira.

Coreografia: Daniel Amaro.

Direção Artística: Daniel Amaro.

Fotografias: Folamí Mídia 
https://www.facebook.com/FolamiMidias / https://globoplay.globo.com/v/6734181/

n/d


INGRESSOS

Antecipados a partir do dia 1 de setembro de 2018, no Museu do Doce / Praça Coronel Pedro Osório 08, Maiores informações: 984287126

Inteira - 60 reais 
Solidário - 30 reais + 1kg de alimento não perecível
Meia - 30 reais (apresentar comprovante na entrada)


ONDE COMPRAR?

*Charqueada São João (9h às 18h e no dia do evento)

*Museu do Doce - Praça Coronel Pedro Osório 08 - De terça à domingo (das 14h às 18h) , a partir do dia 1 de setembro.

*Plataforma online Sympla (https://www.sympla.com.br/danca-dos-orixas---6-edicao__278218)

Os ingressos são limitados, garanta já o seu!

Os alimentos arrecadados serão destinados ao projeto Sopão de Luz (Luz Divina Pelotas - Centro), que distribui semanalmente refeições para a população carente na região do Pântano. Colabore!

Parceiros; LEICMA, Grupo RBS, Diário da Manhã, Shopping Pelotas, Diário Popular, Anerreira Costura, Prefeitura de Pelotas, Museu do Doce e Alegoria Casa Bar.

Realização: Cia. de Dança Afro Daniel Amaro e Charqueada São João.

n/d n/d n/d


VER MAIS


A Reminiscência dos Tambores do Corpo....

n/d

A Reminiscência dos Tambores do Corpo....

Em comemoração aos 10 anos de aniversário da Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, a Cia. produziu em 2010, o espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo no Âmago dos Homens Ifá na crença do Maria, Marias. Com a proposta de agregar em uma única obra o retrospecto da Cia., buscou-se recorrer aos cinco espetáculos já montados ao longo de uma década. Narrando a trajetória do povo negro. O espetáculo aborda a retirada dos negros da África até a contemporaneidade brasileira. Remetendo ao cotidiano africano, o espetáculo agregam movimentos que evocam a dança, os ritmos e a religiosidade da cultura africana, demonstrando a mescla cultural existente entre a África e o Brasil, além da reconstrução da identidade baseada na crença e na fé. Assim, a obra descreve uma tentativa de buscar a essência perdida de cada indivíduo, possibilitando a criação de novas formas de viver e de se expressar. E é quando relembramos de nossa história, do nosso ponto de partida, de nossas vivências no transcorrer do tempo, que enxergamos a importância de se preservar a essência de cada indivíduo na criação de novas formas de viver.

 

Ficha técnica:

Bailarino: Daniel Amaro.
Iluminação: João Cruz.

Contra regra: Kito Borges.
Trilha: Doudou N’adye Rose, Astor Piazzolla, Aka Mon e Doudou N’adye Rose, Güem, Edu da Matta e Jucá de Leon, Bira Reis, YoYo Man e Bob Macferrin.
Edição de audio: Paulo Cesar Nogueira.
Edição de imagens: Marcelo Vergara.
Figurino: Ana Claudia Santos.
Coreografia: Daniel Amaro
Direção Artística: Daniel Amaro e Mano Amaro.
Duração: 40 minutos.

n/d

O espetáculo já circulou por Jaguarão, Arroio Grande, Porto Alegre e Caxias do Sul e  Pelotas (RS), Goiânia e Catalão (GO), São Paulo (SP), Brasilia (DF), Itajaí (SC), Canellones e Rivera (Uruguay).

HISTÓRICO: CIA. DE DANÇA AFRO DANIEL AMARO

A Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, surgiu em dezembro de 1999, após o retorno do coreógrafo a Pelotas de sua estada de Montevidéu e Buenos Aires. De maneira inesperada e, certa forma, coincidente, o professor de dança chega à cidade no momento em que estava sendo organizado um grande evento de cultura negra, denominado Cabobu, em que foi convidado para apresentar um trabalho.

A partir daí, nasce a Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, que inicialmente foi chamada de Grupo de Dança Afro, situado na Vila Castilhos, no município de Pelotas.

Em sua trajetória artística, a Cia possui a montagem de seis espetáculos: Reminiscência (2000), Tambores do Corpo (2001), Âmago (2003), Homens Ifá (2004), Maria, Marias (2005) e Rio de Sangue (2013). E em comemoração aos 10 anos da Cia foi montado, em 2010, o espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo no Âmago dos Homens Ifá na Crença do Maria, Marias. Os espetáculos citados foram todos coreografados e dirigidos pelo bailarino Daniel Amaro. Salienta-se que Homens Ifá e Rio de Sangue tiveram a participação do coreógrafo Mano Amaro e o espetáculo Maria, Marias a colaboração das coreógrafas Carol Pinto e Márcia Loureiro.

A Cia conta ainda, com uma equipe profissional e de competência comprovada, agregando ainda mais qualidade aos espetáculos produzidos.
Além dos espetáculos, é responsável pela idealização e produção da Mostra de Teatro e Dança de Origem Africana, apresentada no município de Pelotas. A Mostra foi promovida, interruptamente, durante seis anos. Desde sua 1º edição, que ocorreu no ano 2004, o evento vem abrindo espaço na cena cultural da referida cidade para grupos e companhias locais de dança e teatro, bem como as oriundas de outras cidades brasileiras, que tenham a cultura de matriz africana e afro-brasileira como mote de suas manifestações artísticas. O evento foi ampliando-se a cada ano de sua realização, tanto no sentido do número de grupos e companhias participantes quanto pela aprendizagem resultante destas trocas e, sobretudo, pela perspectiva que se abriu de profissionalização desses artistas dedicados ao fomento da cultura afro-brasileira. Em 2015, a Mostra de Teatro e Dança de Origem Africana entra em sua 7ª edição.

A Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, ao longo dos anos, apresentou-se em cidades de diferentes estados brasileiros, bem como em países do Mercosul. Já esteve em Curitiba/ PR, Itajaí / SC, Rio de Janeiro/ RJ, Goiânia e Catalão/ GO, São Paulo/SP e Brasília/, além das cidades gaúchas de Porto Alegre, Pelotas, Santa Maria, Novo Hamburgo, Montenegro, Cristal, Arroio Grande, Jaguarão, Cristal, Camaquã, Caçapava do Sul, Santa Vitória do Palmar, Piratini e São Lourenço do Sul. Acrescenta-se ainda, Montevideo, Canelones e Barra do Chuí, no Uruguai e Buenos Aires, na Argentina.

Atualmente, considerando-se em parte realizado artisticamente, Daniel Amaro, pensando numa forma de retribuir toda a
experiência adquirida no Gueto (expressão utilizada pelos moradores para se referirem à vila), vem oferecendo a comunidade da Vila Castilhos um projeto sociocultural desenvolvido pela Cia., no intuito de despertar nas pessoas que ali vivem, uma nova perspectiva de vida através da arte.


VER MAIS


Oficina Dança Moderna Hibrida com o Mestre Paco Gomes em POA - 7 e 8 de Julho

n/d

Oficina Dança Moderna Hibrida com o Mestre Paco Gomes em POA - 7 e 8 de Julho

Abordagens Artístico Pedagógicas para Criação em Dança: Uma proposta de dança moderna baiana, baseada no Método GriotLab.

Proposta é de proporcionar uma aproximação da dança Moderna e tradicional. Pesquisar e experimentar as possibilidades de fusão entre dança moderna/contemporânea e as danças rituais de matrizes Africanas, visando atingir a uma nova forma de expressar coreograficamente esses mitos.

*Estudar os movimentos básicos da dança (In Natura) dos Orixás abordados, buscando uma narrativa logica através da leitura dos movimentos dos mesmos.

*Utilizar a transposição rítmica como elemento básico da fusão.

*Elaborar um vocabulario hibrido baseado nas danças dos Orixás Ogum, Oxum,Oxossi, Omolu e Nana.

*Aplicar os elementos Espaço e Niveis.ao vocabulário resultante da hibridação..

Depósitos até dia 05/07: 
R$ 170,00 para oficina (2 aulas) Carca Horária: 2:30 cada aula.
Depósitos após dia 05/07:
R$ 200,00 para a oficina (2 aulas) Carca Horária: 2:30 cada aula
aula avulsa: R$ 100,00


VER MAIS


Oficina Dança Moderna Hibrida com Paco Gomes em Pelotas - 4 e 5 de Julho

n/d

Oficina Dança Moderna Hibrida com Paco Gomes - Salvador - Bahia:

Proporcionar uma aproximação da dança Moderna e tradicional.
Abordagens Artístico Pedagógicas para Criação em Dança: Uma proposta de dança moderna baiana, baseada no Método GriotLab.
Pesquisar e experimentar as possibilidades de fusão entre dança moderna/contemporânea e as danças rituais de matrizes Africanas, visando atingir a uma nova forma de expressar coreograficamente esses mitos. 

*Estudar os movimentos básicos da dança (In Natura) dos Orixás abordados, buscando uma narrativa logica através da leitura dos movimentos dos mesmos.

*Utilisar a transposicao ritmica como elemento basico da fusao

*Elaborar um vocabulario hibrido baseado nas dancas dos Orixa Ogum, Oxum,Oxossi, Omolu e Nana.

*Aplicar os elementos Espaco e Niveis.ao vocabulario resultante da hibridacao.

Depósitos até dia 2/07: 
R$ 80,00 para oficina (2 aulas) Carca Horária: 2:30 cada aula.
Depósitos após dia 02/07:
R$ 100,00 para a oficina (2 aulas) Carca Horária: 2:30 cada aula
aula avulsa: R$ 60,00.

Inscrições pelo: ciadanielamaro@gmail.com ( Nome completo, contato telefônico e comprovante de depósito)
Caixa Econômica Federal, AG: 0495, OP:013 Conta: 00240110-4
Informações: 984287126


VER MAIS


Jornal do Almoço - Espetáculo de dança celebra cultura e religião africana em Pelotas

n/d

Dança dos orixás foi apresentada na Charqueada São João, às margens do Arroio Pelotas. Encenação ocorreu em alusão ao dia dos pretos-velhos, celebrado neste domingo (13). Acesse a matéria completa no globo play: 

                        https://globoplay.globo.com/v/6734181/?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar


VER MAIS




LOCALIZAÇÃO

Rua Dr. Amarante, 1009
Castilhos - Pelotas/RS
Cep: 96.020.720
Fone + 55 53 3027.1614


CONTATO