x

Cia de Dança Afro Daniel Amaro

x
A Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, surgiu em Dezembro de 1999, quando o coreógrafo retornava de sua estada de um ano e oito meses entre Montevidéu e Buenos Aires.

De maneira bem inesperada e certa forma coincidente, o até então professor de dança, chega à cidade quando estava sendo organizado um grande evento de cultura negra, denominado Cabobu, onde foi convidado para apresentar um trabalho. A partir, daí nasce a Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, que inicialmente foi chamada de grupo de dança afro.

Hoje, se considerando em parte realizado, Daniel Amaro, pensando numa forma de retribuir toda a experiência adquirida no Gueto (expressão utilizada pelos moradores para se referirem à vila), trabalha com a idéia de oferecer a comunidade da Vila Castilho um Projeto sócio-Cultural a fim de despertar nas pessoas que ali vivem, uma nova perspectiva de vida.

Além deste trabalho socio cultural a Cia. realiza desde de 2004, a Mostra de Teatro e Dança de Origem Africana, esta realizada em Pelotas e ainda tem em sua bagagem seis espetáculos montados, que são : Reminiscência, Tambores do Corpo, Âmago, Homens Ifá e Maria, Marias..., Rio de Sangue, todos esses dirigidos e coreografados por Daniel Amaro, além disso, conta com a colaboração de uma equipe profissional e de competência comprovada, agregando ainda mais qualidade aos espetáculos da Cia.

Importante salientar ainda que no espetáculo Homens Ifá e Rio de Sangue  tem a participação coreográfica do coreógrafo Mano Amaro e no espetáculo Maria,Marias... a colaboração das coreógrafas Carol Pinto e Márcia Loureiro.

NOVIDADES

 

Espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo...

n/d

Em comemoração aos 10 anos de aniversário da Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, produziu o espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo no Âmago dos Homens Ifá na crença do Maria, Marias.Com a proposta de agregar em uma única obra o retrospecto da Cia., buscou-se recorrer aos cinco espetáculos já montados ao longo de uma década. Narrando a trajetória do povo negro.

O espetáculo aborda a retirada dos negros da África até a contemporaneidade brasileira. Remetendo ao cotidiano africano, o espetáculo agregam movimentos que evocam a dança, os ritmos e a religiosidade da cultura africana, demonstrando a mescla cultural existente entre a África e o Brasil, além da reconstrução da identidade baseada na crença e na fé. Assim, a obra descreve uma tentativa de buscar a essência perdida de cada indivíduo, possibilitando a criação de novas formas de viver e de se expressar. E é quando relembramos de nossa história, do nosso ponto de partida, de nossas vivências no transcorrer do tempo, que enxergamos a importância de se preservar a essência de cada indivíduo na criação de novas formas de viver.

 

Bailarino: Daniel Amaro.

Coreografia e Direção Artística: Daniel Amaro.

Iluminação: João Cruz.

Trilha: Doudou N’adye Rose, Astor Piazzolla, Aka Mon e Doudou N’adye Rose, Güem, Edu da Matta, Bira Reis, YoYo Man e Bob Macferrin.

Edição de audio: Paulo Cesar Nogueira

Edição de imagens: Marcelo Vergara

Figurino: Ana Claudia Santos

Duração: 40 minutos

Gratuitamente, serão disponibilizado 50 cadeiras, mas pedimos caso queiram ir e levar cadeiras agradecemos.

Realização: Parque do Museu da Baronesa.


VER MAIS


Dia: 14 de Novembro Evento SOPAPO 1º Encontro no Museu

Local: Parque da Baronesa

Hora: 19:30

Investimento: Gratuito

Informações: (53) 3228-4606

Espetáculo

Reminiscência dos Tambores do Corpo...

 

Em comemoração aos 10 anos de aniversário da Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, a Cia. produziu em 2010, o espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo no Âmago dos Homens Ifá na crença do Maria, Marias. Com a proposta de agregar em uma única obra o retrospecto da Cia., buscou-se recorrer aos cinco espetáculos já montados ao longo de uma década. Narrando a trajetória do povo negro. O espetáculo aborda a retirada dos negros da África até a contemporaneidade brasileira. Remetendo ao cotidiano africano, o espetáculo agrega movimentos que evocam a dança, os ritmos e a religiosidade da cultura africana, demonstrando a mescla cultural existente entre a África e o Brasil, além da reconstrução da identidade baseada na crença e na fé. Assim, a obra descreve uma tentativa de buscar a essência perdida de cada indivíduo, possibilitando a criação de novas formas de viver e de se expressar. E é quando relembramos de nossa história, do nosso ponto de partida, de nossas vivências no transcorrer do tempo, que enxergamos a importância de se preservar a essência de cada indivíduo na criação de novas formas de viver.

 

Bailarino e coreografia: Daniel Amaro.
Direção Artística: Daniel Amaro e Mano Amaro.
Trilha: Doudou N’adye Rose, Astor Piazzolla, Aka Mon e Doudou N’adye Rose, Güem, Edu da Matta e Jucá de Leon, Bira Reis, YoYo Man e Bob Macferrin.
Iluminação: João Cruz.
Edição de áudio: Paulo Cesar Nogueira.
Edição de imagem: Marcelo Vergara.
Figurino: Ana Claudia Santos.
Duração: 45 minutos

n/d


VER MAIS


Dia 30 a 5 de novembro. Festival de Dança Afro-brasileira e Contemporânea / BAHIA.

Local: Vale do Capão/ Chapada Diamantina – BA

Hora: 20 h

Fragmento do Espetáculo Tambores do Corpo.

 

É um espetáculo marcado pela associação total do corpo - som, isto é, ele retrata as mais diversas manifestações do corpo humano a partir do toque do tambor, Daniel Amaro com a interferência de outras manifestações artísticas e filosóficas como teatro, artes plásticas, música e yôga, esta obra é um trabalho de dança afro contemporânea, baseado na pesquisa dos ritmos, movimentos e imagens do universo dos tambores em contato com o ser.

n/d

Coreografia, Direção Artística e Bailarino: Daniel Amaro


VER MAIS


Dia 26 de outubro em Santa Vitoria / JATEVE

O JATEVE - Jornada Acadêmica de Tecnologia em Eventos é um dos eventos técnico-científicos do Curso de Tecnologia em Eventos da Universidade Federal do Rio Grande, localizado no Campus FURG de Santa Vitória do Palmar, extremo Sul do Brasil, região conhecida como fronteira extremo meridional sul, tendo como limite o Município do Chuí, fronteira com o Uruguai (Chuí – Chuy). O Curso de Tecnologia em Eventos é o único curso da área oferecido no território brasileiro pela Universidade Pública Federal. Reconhecido pelo MEC em 2016, o Curso promove em 2018 a quarta edição do evento tendo como temática central a discussão em torno da Cultura e Educação.

Local: Campus da FURG

O espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo....

Estará no dia 26 de outubro no “IV JORNADA ACADÊMICA DE TECNOLOGIA EM EVENTOS - JATEVE 2018: CULTURA E EDUCAÇÃO”, no Campus da Universidade Federal do Rio Grande em Santa Vitória do Palmar – Rio Grande do Sul, no período 22 a 26 de Outubro de 2018.

Oficina de Dança de Matriz Africana

Local: CAMPUS FURG SVP Sala 1101

Hora: 17h                     

Espetáculo

A Reminiscência dos Tambores do Corpo

Local: CAMPUS FURG SVP Sala 1101

Hora: 21h

Reminiscência dos Tambores do Corpo...

Em comemoração aos 10 anos de aniversário da Cia. de Dança Afro Daniel Amaro, a Cia. produziu em 2010, o espetáculo A Reminiscência dos Tambores do Corpo no Âmago dos Homens Ifá na crença do Maria, Marias. Com a proposta de agregar em uma única obra o retrospecto da Cia., buscou-se recorrer aos cinco espetáculos já montados ao longo de uma década. Narrando a trajetória do povo negro. O espetáculo aborda a retirada dos negros da África até a contemporaneidade brasileira. Remetendo ao cotidiano africano, o espetáculo agrega movimentos que evocam a dança, os ritmos e a religiosidade da cultura africana, demonstrando a mescla cultural existente entre a África e o Brasil, além da reconstrução da identidade baseada na crença e na fé. Assim, a obra descreve uma tentativa de buscar a essência perdida de cada indivíduo, possibilitando a criação de novas formas de viver e de se expressar. E é quando relembramos de nossa história, do nosso ponto de partida, de nossas vivências no transcorrer do tempo, que enxergamos a importância de se preservar a essência de cada indivíduo na criação de novas formas de viver.

 

Bailarino e coreografia: Daniel Amaro.
Direção Artística: Daniel Amaro e Mano Amaro.
Trilha: Doudou N’adye Rose, Astor Piazzolla, Aka Mon e Doudou N’adye Rose, Güem, Edu da Matta e Jucá de Leon, Bira Reis, YoYo Man e Bob Macferrin.
Iluminação: João Cruz.
Edição de áudio: Paulo Cesar Nogueira.
Edição de imagem: Marcelo Vergara.
Figurino: Ana Claudia Santos.
Duração: 45 minutos

n/d


VER MAIS


Dia 19 à 20 de outubro II Seminário de Dança em Pelotas Participação: Oficina de Dança de Matriz Africana/ Dança de Benin e Dança Afro Contemporânea.

Dia 20 às 15:45

Local: Colégio Municipal Pelotense

Informações: https://www.facebook.com/events/1812114162177641/

II SEMINÁRIO DE DANÇA AFRO DO RS
Pretagogias no ensino da Dança Afro

Chegamos a nossa 2ª edição!

O Seminário de Dança Afro do RS é mais um espaço de aquilombamento de forças que pensam, promovem e fazem da Dança Afro no estado do Rio Grande do Sul, uma forma de combater o racismo através de ações sócio-culturais e artísticas dentro da educação. O objetivo geral é fomentar espaços de debate, sistematização e divulgação de memórias sobre a Dança Afro no estado, articular coletivos artísticos, grupos de dança Afro/Afro-brasileira, artistas independentes, estudiosos/pesquisadores e @s interessad@s na temática das danças Afro/Afro-brasileira no/do Rio Grande do Sul em REDE!
Afim de potencializar o protagonismo de artistas e educadores negr@s, e não negros sensíveis a causa, que desenvolvem trabalhos e ações artísticos/pedagógicos com essa manifestação artística afro-referenciada ou/e afro-orientada. 


O Il SEMINÁRIO DE DANÇA AFRO, pretende de forma específica discutir questões relativas a PRÁTICA PEDAGÓGICA e PRETAGÓGICAS no campo das ARTES, na EDUCAÇÃO (formal e informal). Tod@s são bem vindos! Grupos de Dança, Pesquisadores, Artistas, Coletivos, Educadores Populares, Oficineiros de projetos sociais, acadêmicos e tod@s @s interessad@s em discutir e movimentar-se dentro da temática. 

Traremos como questão “Como as práticas em Danças de Expressão/Estética Negra, desenvolvidas no campo da ARTE-EDUCAÇÃO, tem contribuído para EMANCIPAÇÃO DE NEGRAS E NEGROS no Rio Grande do Sul?”

A partir dessa questão iremos pensar coletivamente estratégias de fomento a rede de artistas/intelectuais e educadores negr@s e não-negr@s, sensíveis a causa antirracista.

Iremos estudar coletivamente com alguns EDUCADORES REFERÊNCIA no ENSINO DE DANÇA e CULTURA AFRO no RS. Conversaremos um pouco sobre o que esses CORPOS CONTADORES DE HISTÓRIA tem a contribuir a partir de suas EXPERIÊNCIAS PRETAGOGICAS!

Dançar saberes, dentro e fora da escola, como possibilidade de fortalecer a identidade Negra Gaúcha, pondo em prática premissas da LDB 10.639/03 e 11.645/08, leis que visam discutir no ensino formal das culturas e histórias Afro-Brasileiras e Indígenas em sala de aula. 

Local: Colégio Pelotense

n/d


VER MAIS




LOCALIZAÇÃO

Rua Dr. Amarante, 1009
Castilhos - Pelotas/RS
Cep: 96.020.720
Fone + 55 53 3027.1614


CONTATO